Correção: Declaração de Macron mostra completo desconhecimento, diz Agricultura

Tempo de leitura: 2 minutos

A nota enviada anteriormente continha uma incorreção no texto. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que continuar a depender da soja brasileira seria ser “conivente” com o desmatamento da Amazônia, e não “conveniente”, como havia sido informado anteriormente. Segue a nota com o texto corrigido.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento se pronunciou nesta quarta-feira, 13, em relação às declarações do presidente da França, Emmanuel Macron, sobre o desmatamento na Amazônia e a produção de soja no Brasil. Em nota oficial, a pasta relatou que a soja brasileira “não exporta desmatamento”. Para o ministério, a fala de Macron demonstra desconhecimento sobre os métodos de produção brasileiros.

“A declaração do presidente francês, Emmanuel Macron, sobre a soja brasileira mostra completo desconhecimento sobre o processo de cultivo do produto importado pelos franceses e leva desinformação a seus compatriotas”, destacou a pasta.

Mais cedo, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, também havia avaliado que a fala do mandatário francês indicava desconhecimento sobre a produção brasileira do grão.

Na terça-feira, 12, em suas redes sociais, o presidente francês afirmou que “continuar a depender da soja brasileira seria ser conivente com o desmatamento da Amazônia”. No vídeo publicado em sua conta oficial no Twitter, o presidente francês fala em “não depender mais” da soja brasileira e produzir o grão na Europa. “Nós somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”, disse.

O comunicado do Ministério ressaltou que a legislação ambiental brasileira é uma das mais “rigorosas” do mundo. O uso de “tecnologias reconhecidas que ampliaram a sustentabilidade de sua produção agropecuária” também foi destacado.

“Toda a produção nacional tem controle de origem. A soja brasileira, portanto, não exporta desmatamento”, afirmou a pasta.

De acordo com o ministério, o Brasil “detém domínio tecnológico para dobrar a atual produção com sustentabilidade, seja em áreas já utilizadas, seja recuperando pastagens degradadas, não necessitando de novas áreas”.

A nota oficial citou, ainda, a condição do País de maior produtor e exportador de soja do mundo, responsável por abastecer mais de 50 países com grãos, farelo e óleo.

A fala de Macron repercutiu negativamente no setor produtivo. Em nota, o líder da bancada ruralista, deputado Alceu Moreira (MDB-SP), disse que a produção da oleaginosa está dissociada de qualquer processo de desmatamento desde 2008.

“Alertamos que a política interna da França não pode colocar em xeque outra nação e a legalidade de nossas políticas públicas para a agricultura como um todo”, afirmou o deputado.

Relacionados

AB InBev: Carlos Brito vai deixar o comando da empresa em 1º de julho

O engenheiro carioca Carlos Brito, de 61 anos, vai deixar o comando da Anheuser-Busch InBev no dia 1º de julho, anunciou [...]

Estadão - 06/05/2021

Governo pede aval ao Senado para operação de crédito externo para MPMEs

O presidente Jair Bolsonaro encaminhou mensagem ao Senado solicitando autorização para operação de crédito externo, a ser contratada entre o BNDES [...]

Estadão - 06/05/2021

TIM: Lucro líquido cresce 57,9% no 1º trimestre, somando R$ 277 milhões

A operadora de telecomunicações TIM registrou lucro líquido de R$ 277 milhões no primeiro trimestre deste ano, um aumento de 57,9% [...]

Estadão - 06/05/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções