Indústria tem ganho acumulado de 39,0% e opera 1,4% acima do nível pré-pandemia

Tempo de leitura: 1 minuto

A alta de 1,1% na produção industrial em outubro ante setembro fez o setor acumular 39,0% de crescimento em seis meses, resultado mais do que suficiente para recuperar a perda de 27,1% registrada em março e abril, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A indústria opera 1,4% acima do nível de fevereiro, pré-pandemia. A produção está no nível mais elevado desde julho de 2018.

Os seis meses seguidos de crescimentos formam a maior sequência de resultados positivos desde o período que se estendeu de janeiro de 2009 a janeiro de 2010, quando a indústria acumulou um ganho de 20,2% nos 13 meses de taxas positivas, passado o pior momento do impacto da crise financeira internacional.

“Agora há um ganho acumulado maior”, lembrou André Macedo, gerente da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE. “Nessa sequência de seis meses de resultados positivos, se a gente supera o patamar de fevereiro, de pré-pandemia, isso mostra que a gente tem algum grau de recuperação. As medidas de auxílio emergencial foram importantes nesse momento, mas ainda tem algum grau a ser recuperado. Antes da pandemia, o setor industrial tinha alguma perda em relação ao seu maior patamar da série histórica. Há um distanciamento importante em relação ao ponto mais elevado da série”, ponderou.

Apesar da melhora, a indústria ainda está 14,9% abaixo do patamar recorde alcançado em maio de 2011.

Relacionados

Bolsonaro: fim à discriminação salarial pode piorar situação de mulheres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sugeriu que arranjar emprego pode se tornar "quase impossível" para as mulheres, caso ele sancione [...]

Estadão - 22/04/2021

Bolsonaro diz que críticas à política ambiental do seu governo não se justificam

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avaliou mais uma vez como injustas as críticas que o Brasil sofre por causa da [...]

Estadão - 22/04/2021

Na Cúpula do Clima, FMI pede preço robusto para o carbono

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu nesta quinta-feira, 22, que se imponha um preço robusto sobre o [...]

Estadão - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções