Flash Macro | Taxa de desemprego recua para 14,6% em maio

Tempo de leitura: 4 minutos

A taxa de desemprego da economia brasileira recuou levemente de 14,7% para 14,6% no trimestre móvel encerrado em maio ante aquele terminado em abril. A queda na taxa é, na verdade, fruto de um incremento mais acentuado na força de trabalho (0,88%), tendo em vista que o número absoluto de desempregados subiu 0,22% para 14,79 milhões de desempregados. Tal movimento também ficou claro no número de pessoas fora da força de trabalho, que registrou queda de 0,76% para 75,80 milhões, assim como na taxa de participação, que se elevou de 56,9% para 57,2%.

Quase todos os setores da economia registraram aumento da ocupação, em essência ainda refletindo o efeito expansionista trazido pela reabertura, que tende a ter um impacto mais expressivo sobre os setores mais duramente impactados pelo isolamento social. Na margem, este foi o desempenho dos setores:

  • Alojamento e alimentação registrou crescimento de 2,73% para 4,17 milhões no emprego;
  • Serviços prestados às empresas registrou crescimento de 1,05% para 4,34 milhões no emprego;
  • Serviços domésticos catalogou aumento de 1,58% para 5,08 milhões no emprego;
  • Outros serviços ficou estável, caindo meros 0,02% para 4,08 milhões;
  • Administração pública teve incremento de 1,09% no emprego para 16,67 milhões;
  • Transportes aumentou ligeiramente o emprego em 0,44% para 4,34 milhões;
  • Agricultura aumentou o emprego em 0,75% para 8,76 milhões;
  • Indústria registrou leve queda de 0,17% para 10,9 milhões no emprego;
  • Construção civil aumentou em 3,39% o emprego para 6,19 milhões;
  • Comércio ficou relativamente estável, registrando queda de apenas 0,03% para 15,58 milhões no emprego.

Quanto ao rendimento médio habitual recebido pelos trabalhadores, verificou-se uma nova queda de 0,28% para R$ 2.466. É a segunda queda consecutiva na margem que continua evidenciando os efeitos nocivos proporcionados pela aceleração da inflação, que contina corroendo o rendimento real das famílias.

Nossa visão:

Após meses em alta, a taxa de desemprego registrou queda na leitura de maio, registrando, inclusive, um aumento de 0,89% no número de indivíduos ocupados contra um aumento, como comentado, de 0,22% no número de pessoas desocupadas. Portanto, o resultado líquido, em termos de geração de emprego, foi positivo, e coloca em evidência os efeitos positivos causados pela reabertura, ainda parcial, da economia doméstica.

Há de se comemorar que a taxa de participação também aumentou, embora continue distante do nível em que estava antes da crise. Devido à manutenção de algumas restrições, assim como ao quadro pandêmico ainda desafiador, participantes continuam distantes do mercado de trabalho, pois além do afastamento causado pela covid-19, trabalhadores seguem sentido a falta de empregos em suas respectivas localidades. Este problema não será rapidamente convertido, tendo em vista que um aumento nas oportunidades de emprego depende de uma recomposição mais forte da oferta, que por sua vez depende de uma melhora nos gargalos que atingem a economia.

Não obstante, daqui para frente, esperamos melhoras contínuas na taxa de desemprego. Com uma reabertura maior da economia em linha com a vacinação, a demanda por serviços deverá se acelerar, contribuindo para acelerar o emprego no setor que mais contrata trabalhadores e tem a maior participação no PIB. De qualquer maneira, não vemos a taxa de desemprego voltando ao seu nível natural de 10% este ano, principalmente por conta do aperto monetário atualmente em curso.

Disclaimer: Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores,  para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo.  Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações. Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Resolução CVM nº 20, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.

Relacionados

Apito Final | Vendas do varejo e balanços reforçaram apetite ao risco

Internacional • Mercados estendem apetite ao risco com varejo americano;• Vendas do varejo subiram enquanto o mercado esperava dado negativo; Brasil • Investidores buscam [...]

Rafael Gabriel Pacheco - 15/10/2021

Guide Empresas: Assaí compra operações da rede Extra; PDG sai da recuperação judicial; e mais!

Grupo Pão de Açúcar (PCAR3): Assaí compra 71 lojas da rede Extra por R$ 5,2 bi e vai acabar com a [...]

Luis Gustavo Pereira - 15/10/2021

Rio Bravo: Olhar Atento | Prévia mensal do PIB

O IBC-Br, prévia mensal do PIB, retraiu 0,15% MoM em agosto. O resultado ficou ligeiramente abaixo da projeção do mercado (-0,05%). [...]

Rio Bravo - 15/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções