CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Mercados Hoje | Suporte fiscal marginaliza recorde nos casos americanos

26 de junho de 2020
Tempo de leitura: 9 min
Compartilhar
Mercados Hoje - toalha vermelha com prato de torradas, xícara e jornal com gráfico indicando crescimento
Tempo de leitura: 9 min

Introdução:

Internacional

• Bolsas caminham para fechar a semana com viés ligeiramente positivo;
• Recorde no número de casos de coronavírus nos EUA mantêm ativos oscilando em NY enquanto promessa de suporte fiscal impulsiona bolsas na zona do euro;
• EUA registra 37 mil novos casos diários e bate recorde do 1º pico verificado em abril;
• Dados de renda e gastos pessoais de maio são destaque nos Estados Unidos.

Brasil

• Tribunal do RJ acata recurso do senador Flávio Bolsonaro e investigação das rachadinhas é enviada à segunda instancia;
• Ministério Público do RJ ainda não apresentou acusação formal contra o “01”;
• Ministro Luiz Fux é eleito presidente do STF, assume em setembro;
• Fim do mandato do ministro Dias Toffoli pode prejudicar o governo;
• Receita Federal divulga arrecadação mais baixa desde 2005 para o mês de maio;
• Senado adia votação do controverso projeto das fake News.


CENÁRIO EXTERNO: SUPORTE FISCAL MARGINALIZA RECORDE NOS CASOS AMERICANOS

Mercados… Bolsas asiáticas encerraram a semana com viés predominantemente positivo. A bolsa de Xangai se manteve fechada por conta de feriado nacional na China. Na zona do euro, índices também já operam no verde, com o Stoxx 600, índice que abrange ativos de diversas regiões da Europa, subindo 1,3% até o momento. Nos EUA, índices futuros de NY operam mistos, oscilando em torno do zero a zero, enquanto o dólar (DXY) se mantém estável contra seus principais pares. Em relação às commodities, ativos se movimentam sem direção única. Como destaque positivo, o preço do petróleo (Brent Crude) avança 1,2%, negociado próximo dos US$ 41,50/barril.

Suporte fiscal marginaliza recorde nos casos americanos… Mercados globais caminham para encerrar semana marcada pela volatilidade com viés ligeiramente positivo. Nos EUA, índices futuros oscilam em torno do zero a zero na medida em que investidores avaliam o recorde no número de novos casos diários de coronavírus no país. Do outro lado do atlântico, ativos europeus operam no verde, com destaque para papéis de companhias aéreas após anúncio de ajuda de US$ 3,8 bilhões da Holanda para divisão holandesa da Air France- KLM.

2ª onda... O registro de 37 mil novos casos diários pelos departamentos de saúde estaduais nos EUA levou o país a quebrar o recorde verificado no 1º pico no dia 24 de abril, de 36.188. O total de casos no país já supera a marca de 2,4 milhões enquanto 124 mil pessoas já morreram das complicações derivadas da covid-19. O número acumula evidências de que a temida 2ª onda definitivamente se instalou na maior economia do mundo, que tem novos casos liderados pelos estados da California, Flórida e Texas. Nestes estados, governadores já atrasam e ponderam a reversão do relaxamento das medidas de distanciamento social – no caso do Texas, esta já é a realidade. Na outra ponta, Nova York, o estado que havia sido mais afetado incialmente, segue firme em processo de reabertura.

Sem novos lockdowns... Apesar da reversão do relaxamento de medidas de isolamento em alguns estados americanos, o investidor parece não acreditar no retorno dos lockdowns, principal risco para a recuperação econômica no país. Desta maneira, o movimento de alta que continuamos observando no mercado reflete não só a expectativa com a recuperação mais rápida uma vez que a crise sanitária chegue ao fim, mas a certeza de que os bancos centrais, liderados pela Federal Reserve (Fed), seguirão sustentando ativos a qualquer custo durante a pandemia.

Na agendaO destaque da agenda de hoje será a divulgação dos dados de renda e gastos pessoais de maio nos Estados Unidos (9h30). Além de servir como termômetro para a atividade na maior economia do mundo, os dados saem acompanhado do PCE (deflator dos gastos pessoais), indicador de preços acompanhado atentamente pelo Fed. Segundo as estimativas de mercado, o índice de inflação deve apontar para a falta de pressões inflacionárias (0,0%) no mês, resultado que levaria o acumulado em 12 meses para 0,5%, valor confortavelmente abaixo da meta de 2,0% da instituição. Em seguida, o investidor avalia a leitura final de junho do índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan (11h).


BRASIL: TRIBUNAL DO RJ ACATA RECURSO DO SENADOR FLÁVIO BOLSONARO E INVESTIGAÇÃO DAS RACHADINHAS É ENVIADA À SEGUNDA INSTANCIA

Investigação de rachadinhas é movida para a segunda instancia… Ontem, um recurso apresentado pelo senador Flavio Bolsonaro (Republicanos- RJ) à 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio resultou no envio da investigação das supostas “rachadinhas” para a 2ª instância. A decisão do tribunal confirmou o foro privilegiado do primogênito do presidente devido ao fato que a investigação foi iniciada durante o seu mandato na Assemblei Estadual do RJ. Apesar de entender que Flávio tem direito a ser julgado por um tribunal de 2ª instância, a corte não acatou outro recurso que pedia anulação de todas as decisões preferidas pelo juiz de primeira instância até então responsável pela investigação. Uma acusação formal contra o senador ainda não foi apresentada pelo Ministério Público do RJ.

Fux é eleito presidente do STF… Ontem, o ministro Luiz Fux foi eleito presidente do Supremo Tribunal Federal. Em setembro, Fux, que atualmente é vice-presidente da Corte, substituirá o atual presidente Dias Toffoli. Rosa Weber será a nova vice. A eleição é um ato simbólico já que o STF segue uma tradição de eleger o ministro mais antigo que ainda não ocupou a presidência ao cargo. Na prática, forma-se uma fila baseada na senioridade dos onze integrantes da Corte. O mandato de cada ministro dura dois anos.

Saída de Toffoli prejudica governo… O fim do mandato presidencial do ministro Dias Toffoli representa um desenvolvimento negativo para o governo. O atual presidente é o ministro que mais dialoga com o Executivo e tem exercido um importante papel de interlocutor entre o governo e a cúpula do Judiciário. Além disso, durante sua presidência, Toffoli tem proferido decisões mais alinhadas com os interesses do Planalto. No ano passado, uma determinação do atual presidente suspendeu temporariamente a investigação das supostas “rachadinhas” do senador Flávio Bolsonaro.

Senado adia voto do projeto das fake news... O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi forçado a adiar a votação de um projeto que visa coibir a disseminação de notícias falsas pela internet. Ao perceber que o projeto não tinha os votos necessários para ser aprovado, Alcolumbre postergou a apreciação da matéria para terça-feira que vem. Apesar de passar por vários ajustes, o projeto ainda representa um ataque frontal à liberdade de expressão por meios digitais. O trâmite abreviado da medida – causado pela necessidade de implementar medidas de distanciamento social que visam evitar o alastramento da covid-19 – prejudicou a formulação da matéria que trata de um assunto extremamente complexo e impactante.

Agenda Em dia de agenda de indicadores mais fraca, o investidor avalia a sondagem do comércio (Ibre-FGV), às 8h, e o índice de confiança do empresário industrial da Confederação Nacional da Indústria.

E os mercados hoje?… Lá fora, ativos de risco caminham para encerrar a semana em tom ligeiramente positivo. Futuros de NY oscilam com registro de novo recorde de casos da covid-19 no país enquanto bolsas europeias seguem no verde, impulsionadas pela promessa de suporte fiscal. No Brasil, a política continua dominando o noticiário com tom conciliador do presidente em live e a decisão do TJ-RJ de enviar o inquérito das “rachadinhas” para a 2ª instância. O último dá fôlego momentâneo ao governo, mas não afasta o risco de envolvimento de Flávio Bolsonaro e, possivelmente, do presidente no esquema. O adiamento do voto do PL da Fake News também vem como uma vitória parcial ao governo. Em suma, o quadro político continua conturbado e os desafios econômico e sanitário se mantêm. De qualquer maneira, na falta de grandes desenvolvimentos esperamos um dia de viés neutro/positivo para ativos de risco locais, que devem continuar reféns dos movimentos verificados no exterior.


Sobre o fechamento do último pregão:

Ibovespa: +1,70% aos 95.983;
BR$/US$: +0,32% cotado a 5,36;
DI Jan/27: -14 bps cotado a 6,79%;
S&P 500: +1,10% aos 3.083

*Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.


Jornais:

JORNAIS:

VALOR
– MP facilita concessão de PLR e livra empresas de multas
– Suez espera estabilidade para investir
– Ala militar põe Decotelli na Educação
– Flavio obtém vitória na Justiça, mas incompleta

O GLOBO
– Decisão do TJ coloca em risco investigação sobre Flávio Bolsonaro
– Novo titular do MEC tem perfil técnico e quer diálogo
– Governo vai pagar mais três meses de auxílio
– EUA têm recorde de casos em meio à flexibilização

FOLHA DE S.PAULO
– Aprovação de Bolsonaro segue estável após prisão de Queiroz
– TJ-RJ concede foro especial a senador Flávio Bolsonaro
– Ex-presidente do FNDE, Carlos Decotelli assumirá o Ministério da Educação
– Bolsonaro diz que auxílio terá mais três parcelas

O ESTADO DE S.PAULO
– Bolsonaro atende ala militar e escolhe moderado para o MEC
– Governo quer liberar R$ 1.200 de auxílio
– Caso de Flávio Bolsonaro vai para 2ª instância
– Mortes por covid sobem em SP após abertura

 

Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.
Compartilhar artigo

Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.

Graduado em Administração de Empresas e Economia pelo Insper. Integra a equipe econômica da Guide há mais de 1 ano. Atualmente atua como economista no segmento de varejo, sendo responsável pela confecção de relatórios e de comitês mensais com intuito de embasar recomendações de alocação de recursos no cenário político-econômico.

Veja também