Flash Macro | IPCA abril/2020

Tempo de leitura: 2 minutos

Resultado: -0,31% m/m; 2,40% a/a

Projeção (Guide): -0,30% m/m; 2,39% a/a

Anterior: +0,07% m/m; 3,30% a/a

 

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo voltou a ilustrar a tendência deflacionária que se instaurou sobre a economia brasileira em função das medidas de isolamento social que passaram a vigorar com maior intensidade durante o mês de abril. Ao recuar 0,31% no mês, a inflação acumulada em 12 meses registra queda para 2,40%, abaixo do piso da meta estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). 

Assim como na leitura de março, os preços relacionados à alimentação e bebidas, considerados essenciais e especialmente afetados pelo medo de desabastescimento, passaram por uma alta de 1,79% no mês. Vestuários, decorrente do desconto efetuado pelas companhias de roupa para venderem seus estoques, além do aumento das vendas no e-commerce, se elevou em ligeiros 0,10%. Os demais itens considerados não essenciais e especialmente afetados pelas medidas de restrição à mobilidade como artigos de residência (-1,37%), saúdes e cuidados pessoais (-0,22%), despesas pessoais (-0,14%) e comunicação (-0,20%) voltaram a apresentar variação negativa no mês. Destacamos o resultado de -2,66% para a categoria de transportes. Este apresentou a maior variação em termos tanto negativos quanto absolutos. A categoria foi especialmente afetada não só pelo reduzido tráfego viário decorrente das medidas de confinamento social, mas também pela intensa redução nos preços de energia (petróleo) nos mercados internacionais em função do excesso de oferta do produto verificado no período.

 

Nossa visão: O resultado do IPCA para o mês de abril segue ilustrando a contínua abertura no amplo hiato negativo do produto. Ao passo que se verifica uma queda abrupta da demanda agregada, a diferença entre o valor efetivo e potencial fica maior, alimentando de forma acentuada uma derrocada nos preços da economia. O resultado, ao confirmar a contínuas quedas das expectativas de inflação (como visto recorrentemente nas leituras do Boletim Focus, publicado todas as segundas-feiras pelo Bacen), faz jus ao corte de juro e à sinalização de futuros afrouxamentos monetários pelo Copom após a última reunião de política. O BC está correto em antecipar, na medida do possível, a piora rápida na perspectiva de crescimento para a economia, ao agir para tentar amenizar as sequelas que a crise irá deixar no médio-longo prazo.

Relacionados

Flash Macro | Pesquisa Mensal dos Serviços – fev/21

O índice de volume no setor de serviços apresentou expansão de 3,7% em fevereiro, contrariando boa parte das expectativas do mercado, [...]

Alejandro Ortiz Cruceno - 15/04/2021

Rio Bravo: Olhar Atento |O setor de serviços

O setor de serviços surpreendeu em fevereiro (+3,7% a.m.), ficando acima da expectativa do mercado (+1,3%) e retornando ao nível pré-pandemia. [...]

Rio Bravo - 15/04/2021

Guide Empresas - Hering rejeita fusão com Arezzo, Positivo firma acordo para venda de PCs Compaq.

Hering: Cia rejeita acordo de fusão com ArezzoImpacto: PositivoSanepar: Agência reguladora aprova aumento de 5,77% na tarifaImpacto: Marginalmente PositivoPositivo: Cia anuncia [...]

Luis Sales - 15/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções