CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Carteira Semanal de Ações | 01 de Agosto

1 de agosto de 2022
Escrito por Rodrigo Crespi
Tempo de leitura: 14 min
Compartilhar
Tempo de leitura: 14 min

Na semana os papéis da Petrobras foram os que mais se apreciaram, enquanto os da Americanas foram os que mais se depreciaram.

N/A

N/A

Performance:

Na semana, a carteira teve performance positiva, porém abaixo do seu índice de referência. Nos EUA, o mercado registrou alta na última semana, reagindo bem à coletiva de Powell pós-Fed e ao PIB norte-americano menor que o esperado, o que pode indicar uma maior chance de alta de 50 bps, mesmo com o deflator do PCE indo abaixo do esperado. Como antecipado, o Fed subiu os juros em 0,75 p.p., elevando o Federal funds rate para o intervalo de 2,25% – 2,50%. O comunicado foi bem fraco em termos de forward guidance e informações adicionais ao mercado. O mercado reagiu bem também à recuperação do índice de confiança do consumidor e queda na expectativa de inflação a 1 ano. A boa safra de balanços da semana também ajudou a impulsionar o desempenho das bolsas, em especial dos papéis de ações do setor de tecnologia. No Brasil, o Ibovespa subiu puxado pela recuperação das bolsas e commodities internacionais e pelos balanços corporativos positivos, em especial da Petrobras, que além de registrar números bastante fortes, anunciou um pagamento recorde de dividendos. Na fronte da inflação, o IPCA-15 de julho registrou alta de 0,13%, desacelerando contra maio, e acumulando alta de 11,39% em 12 meses – valor levemente abaixo do esperado.

Na semana os papéis da Petrobras foram os que mais se apreciaram, enquanto os da Americanas foram os que mais se depreciaram.

Perspectiva:

Nesta semana decidimos por manter a mesma composição da carteira. Dados econômicos para os EUA devem dar o tom no mercado internacional. Uma nova rodada de PMIs – os índices de gerentes de compras -, para o país e para a zona do euro deve mostrar quão forte será a desaceleração econômica global. Especificamente nos EUA, o PMI da ISM, geralmente utilizado como um proxy mensal do PIB, sai no começo da semana. Já caminhando para o final da semana, o Payroll também será de suma importância para a definição das expectativas com o Fed. O dado de criação de emprego está em nível historicamente elevado, e a tendência, por mais que se espere uma desaceleração, é que ele permaneça mostrando força, como o próprio presidente do Fed, Jerome Powell mencionou. Já no Brasil, naturalmente todos os olhos voltarão para o Copom. Detalhamos melhor nossa visão em nosso relatório Macro Mensal, mas esperamos que o BCB suba a Selic em 0,50 p.p., para 13,75%, deixando em aberto a possibilidade de uma nova alta, entretanto nosso cenário base é de que a autoridade monetária opte por encerrar o ciclo com esse último ajuste e manter nesse patamar por algum tempo.

Americanas ON (AMER3)

A Americanas S.A é uma das maiores plataformas de e-commerce do Brasil, que surgiu por meio da fusão entre a B2W digital e Lojas Americanas em julho de 2021. A combinação dos negócios das duas companhias pretende potencializar a experiência do cliente e acelerar o canal omnichannel, além de destravar valor através de sinergias e eliminação de ineficiências.

O Modelo de negócio da Americanas S.A é baseado em sua plataforma digital e em lojas físicas. A companhia se dedica ao comércio de varejo de produtos de consumo, através de lojas nos modelos tradicional, Americanas Express, conveniência (Local), Americanas Digital e Ame Go. No e-commerce a companhia atua por meio de quatro marcas, Submarino, Americanas.com, Shoptime e Sou Barato. Além disso, a AMER3 controla a fintech Ame Digital e a plataforma logística, LET’s.

No 1T22, apesar do momento mais desafiador do cenário econômico, com alta das taxas de juros, inflação crescente, pressão em custos e queda na renda da população a Americanas foi capaz de reduzir o seu prejuízo em comparação ao mesmo período do ano passado.

O GMV da empresa foi de R$ 14,2 bilhões, um crescimento de 21,7% vs 1T21, justificado pela boa performance em todas as plataformas de negócios, com o físico crescendo 27% e o digital crescendo 20%, novamente acima da média do mercado, mesmo diante de uma base desafiadora (+89% no 1T21) e dos impactos do incidente de segurança ocorrido em fevereiro, de acordo com relatório trimestral.

Assaí ON (ASAI3)

O Assaí é uma companhia focada no segmento Atacarejo, sendo o maior player puro de Cash & Carry do país e atualmente é a maior marca operada pelo Grupo Casino no mundo. Atualmente conta com 187 lojas em 23 estados e market share aproximado de 30%, atendendo revendedores, transformadores, utilizadores e consumidores finais.

A empresa possui forte geração de caixa, sendo um destaque de crescimento no setor, possui estratégia e execução bem definidas para a expansão da companhia e management com vasta experiência no setor de varejo alimentar. A empresa também é destaque ESG em seu setor.

O Assaí apresentou CAGR de 21% entre 2016 e 2021, e possui perspectivas positivas, com abertura de 12 novas lojas orgânicas em 2022 e conversão das lojas Extra-Hiper adquiridas do GPA, com a previsão de entrega de 40 lojas para o segundo semestre deste ano.

O Assaí reportou um resultado sólido no 2T22 apresentando um forte crescimento de receita líquida de 32,8% e SSS de 14,7%, o que reflete principalmente a maior procura pelo canal de Atacarejo em virtude do cenário macroeconômico desafiador, além do retorno dos clientes B2B, bom desempenho de vendas em datas comemorativas e forte contribuição da expansão orgânica nos últimos 12 meses, com abertura de 32 novas lojas. Foi observado notável ganho de marketshare, e bom controle de despesas, além de uma melhora de margem Ebitda, diferentemente dos concorrentes, mostrando sua eficiência operacional superior. O lucro líquido alcançou R$ 319 milhões, +21% superior ao 2T21, com margem líquida de 2,4%. No primeiro semestre, o lucro líquido totalizou R$ 533 milhões diante da alta alavancagem operacional que compensa, em grande parte, o contexto de juros elevados.

Itaú Unibanco PN (ITUB4)

O Itaú Unibanco é o maior banco do Brasil em termos de ativos totais. O banco, que consolidou sua liderança entre os bancos privados no Brasil após a fusão com o Unibanco em 2008, possui forte penetração e uma presença robusta em áreas-chave, como cartões de crédito, empréstimos para automóveis, gestão de ativos e seguros.

O Itaú reportou um bom resultado, com lucro líquido recorrente de R$7,2 bilhões no 4T21, 2% acima de nossas estimativas e 5,7% acima do consenso de mercado. O resultado melhor que a expectativa ocorreu apesar de um resultado de tesouraria mais pressionado no trimestre, reflexo de um crescimento da carteira de e da margem financeira com clientes acima do guidance de 2021.

Vimos também uma boa performance das receitas de serviços e seguros no 4T21 (+2,9% T/T), impulsionado pelas receitas advindas de cartões e resultado de seguros, fechando 2021 próximo ao topo do guidance; forte crescimento da carteira de crédito, em especial nas linhas de cartão de crédito, crédito pessoal, crédito imobiliário e crédito para micro, pequenas e médias empresas, o que contribui para o crescimento da margem financeira com clientes, já que estas linhas apresentam maiores taxas de juros, e menor patamar do índice de eficiência (despesas/receitas) desde 2016, resultado não só da expansão das receitas, mas também da digitalização da companhia e do bom controle de custos e despesas feito pelo banco. 

O guidance positivo para 2022 nos agradou, com crescimento da carteira de crédito total entre 9% e 12%, sendo a carteira Brasil entre 11,5% e 14,5%, acima do crescimento projetado pela Febraban, e aumento da margem com clientes entre 20,5% e 23,5%, reflexo do crescimento da carteira e de um mix mais voltado para linhas com maiores spreads. Por fim, destacamos o bom desempenho nos canais digitais, com destaque para o Iti, que já conta com 14,6 milhões de contas, sendo 86% não correntistas do Itaú.

Petrobras PN (PETR4)

A Petrobras é uma das maiores produtoras de petróleo e gás do mundo. Em 2020 os campos operados pela companhia produziram 94,15% do petróleo e gás natural do Brasil, conforme dados da ANP.

A companhia é líder na exploração e produção em águas profundas e ultraprofundas, tendo produção concentrada nas bacias de Campos e Santos. A companhia também atua nos mercados de refino, também sendo responsável pela maior parte da capacidade de refino no Brasil, sobretudo na região Sudeste. O lucro da Petrobras no 1º trimestre de 2022, foi de R$ 44,5 bilhões, o maior já registrado por uma empresa de capital aberto brasileira para o período, e segue reduzindo a sua alavancagem financeira. A companhia segue apresentando bons volumes de produção e redução no seu lifting cost (custo de extração) com maior participação das operações do pré-sal no portfólio.

Esperamos a entrada em operação de novos poços a médio prazo, contribuindo para o aumento na produção. No curto prazo, alguns triggers: (i) continuidade da venda de ativos não estratégicos; (2) avanço do projeto de desinvestimento das refinarias; (3) perspectiva de novos anúncios de dividendos. Em março a estatal anunciou uma nova descoberta de petróleo no pré-sal, em um bloco com a BP Energy do Brasil, encontrada na parte sul da Bacia de Campos, no bloco Alto de Cabo Frio Central, a 230 quilômetros da cidade do Rio de Janeiro. Em maio observamos mais uma troca de comando da direção da empresa, com a substituição de José Mauro Ferreira Coelho  por Caio Mario Paes de Andrade, dada a alta dos preços de combustíveis e lucro elevado no 1T22, que acabou chamando a atenção de políticos.

A Petrobras entregou novamente números bastante fortes referentes ao 2T22, bem acima do esperado pelo mercado, impulsionado pelo elevado preço do Brent, que foi 12% mais alto, além das maiores margens de derivados e de gás natural. O resultado foi impactado positivamente também pelo ganho de capital de R$ 14,2 bilhões referente ao acordo de coparticipação nos campos de Sépia e Atapu. Em termos da composição da receita no mercado interno, o diesel e a gasolina continuaram sendo os principais produtos, respondendo juntos por 73% da receita nacional de vendas de derivados de petróleo no 2T22. Vemos a estatal cada vez mais eficiente, com margens recorrentemente apresentando melhoras, e o endividamento progressivamente encolhendo, que aliado ao elevado nível de geração de caixa e a sólida liquidez possibilitaram o anúncio de R$ 6,73 por ação ordinária e preferencial. Vale ressaltar o aumento das exportações à Europa que a Petrobras capturou, em virtude da guerra na Ucrânia, que fez com que as exportações russas fossem redirecionadas para os mercados asiáticos.

Vale ON (VALE3)

A Vale é uma das maiores empresas mineradoras do mundo. Produz e comercializa minério de ferro, níquel, pelotas, minério de manganês, ferroligas, carvão cobre e outros metais. A companhia está envolvida em projetos de exploração mineral greenfield em seis países e opera um sistema de logística no Brasil e no mundo integrados a suas operações de mineração, permitindo assim entrega de seus produtos em diversos países. A companhia também investe nos setores de siderurgia e energia diretamente ou através de suas joint ventures. A companhia, além de ser uma das maiores mineradoras do mundo, apresenta uma diversificação de operações de minério de ferro no Brasil em três sistemas (Norte, Sudeste e Sul) que possuem capacidade de transporte e remessa própria.

Em nossa visão, a Vale é uma das principais beneficiadas pelo aumento do preço do minério internacional e da alta do dólar em relação ao real, visto que é uma das principais empresas exportadoras do país e está entre as empresas mineradoras mais relevantes do mundo. Além disso, seus produtos possuem um desconto em relação ao minério internacional e na hipótese de paridade entre esses valores, a empresa conseguiria capitalizar ganhos relativamente maiores que seus concorrentes estrangeiros. A companhia apresentou seus resultados do 1T22 com EBITDA de US$ 6,4 bilhões em linha com as estimativas do mercado. Os resultados foram impactados pela sazonalidade característica do período de chuvas do início do ano e pela forte recuperação de preços do minério de ferro frente ao 4T21. O EBITDA de minerais ferrosos atingiu US$ 5,8 bilhões, 9% inferior ao 4T21 devido a volumes 36% menores, que foram parcialmente compensados por preços 22% superiores. A margem EBITDA do segmento atingiu 66%, apresentando uma forte evolução sobre o 4T21 de 7 p.p., mesmo com maiores custos C1, +17% t/t.

Como principais risco seriam: (i) desaceleração da demanda mundial de minério, principalmente com arrefecimento de planos de desenvolvimento, como dos EUA; (ii) variação da taxa de câmbio dólar/real; (iii) riscos ambientais, como rompimento de barragens e poluição ambiental; e (iv) risco de paralização causada por chuvas.

Metodologia

A Carteira Semanal da Guide Investimentos é composta por cinco ações, com peso de 20% da carteira para cada ativo, selecionadas para o período de uma semana. Enviamos o relatório da carteira ao longo do primeiro dia útil da semana (às segundas-feiras), para os clientes conseguirem montar as posições no fechamento dessa sessão. Importante: as cotações de fechamento dos papéis selecionados é que são utilizadas para a apuração dos resultados da Carteira. Sendo assim, o relatório é válido do fechamento do primeiro dia útil da semana de referência até o fechamento do primeiro dia útil da próxima semana. Vale mencionar que não levamos em consideração na performance o custo operacional (como corretagem e emolumentos).

A seleção das ações é baseada em um critério mais dinâmico, um pouco diferente das nossas demais carteiras recomendadas (que tem uma característica mais estática de posicionamento). Procuramos buscar mais oportunidades de mercado, inclusive as de curtíssimo prazo, observando tendências, movimentos técnicos, momentum dos ativos, eventos e fluxos, além dos fundamentos das empresas.

Contatos
Conheça o nosso time de especialista da área de Investimentos.

RENDA VARIÁVEL
[email protected]

“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores,  para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo.  Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações. Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução da CVM N° 20, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. “

Compartilhar artigo

Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.

Formado pela ESPM-SP, com pós-graduação na FGV-SP e mestrado (MSc) em Management pela Nova School of Business and Economics (Nova SBE) e Erasmus na EM Lyon. Antes de ingressar na Guide, trabalhou por quase dois anos no BNP Paribas na Europa, na área de Global Markets na equipe de Equity Derivatives. ''A minha missão é estar sempre atualizado, antecipando tendências de mercado, através de análises, e oferecer de forma simples e objetiva ao investidor, estratégias de alocação com sólidos fundamentos.'' CNPI – 2934

Veja também