Carteira recomendada de Fundos Imobiliários | Outubro/2021

Tempo de leitura: 17 minutos

De acordo com os últimos dados da B3, no mês de julho de 2021, o mercado de Fundos Imobiliários atingiu um volume negociado de R$ 5,3 bilhões, representando um aumento de 28% na comparação com o mesmo período de 2020. O Patrimônio Líquido apresentou seu primeiro tombo no ano em maio, totalizando R$ 152 bilhões, enquanto o setor continuou a provar sua atratividade frente ao cenário de juros reais baixos, atingindo a marca de 1.462 milhão de investidores, o que representa um aumento de 23% comparado a dezembro de 2020.

A carteira

Em setembro, o IFIX apresentou desempenho negativo, caindo -1,2% frente ao turbulento fluxo de notícias e ruídos políticos. Nossa carteira teve performance positiva, subindo 0,5%, 170 bps acima do IFIX.

O mês de setembro foi marcado pelo aumento da percepção de risco dos investidores. No cenário doméstico, as projeções de inflação no ano continuaram em trajetória de alta, além do risco eminente de racionamento devido à crise hídrica e energética. No campo político, o mês se iniciou bastante turbulento às vésperas das manifestações pró-governo de 7 de setembro, trazendo preocupações em torno de uma possível ruptura entre os poderes.

No cenário internacional, a construtora chinesa Evergrande sinalizou um possível calote, trazendo incertezas quanto a possibilidade de uma nova crise global.

Para a carteira de outubro, escolhemos dez fundos para compor a carteira, com ampla diversificação entre os segmentos imobiliários e equilíbrio entre renda e ganho de capital, em linha com o que acreditamos oferecer as melhores oportunidades para se estar posicionado dentro do universo de Fundos Imobiliários no mês. Considerando uma média ponderada por pesos, nossa carteira apresenta um Dividend Yield de 9,4% e VM/VP de 0,94x respectivamente.

Para Outubro:

Esperamos uma recuperação do IFIX frente a uma desvalorização excessiva das cotas em agosto e setembro, porém, adotamos uma postura mais cautelosa frente a um cenário mais desafiador no espetro político-econômico do país.

Ressaltamos que ainda existem oportunidades no setor e aconselhamos uma seleção de ativos mais criteriosa para composição das carteiras. Reforçamos nossa preferência por setores mais defensivos, com boa capacidade de absorção da inflação e modelos operacionais resilientes.

Ourinvest Fundo de Fundos (OUFF11)

Sobre o Fundo
O Ourinvest Fundo de Fundos Imobiliários tem como objetivo principal a aquisição de cotas de outros Fundos de Investimento Imobiliário, bem como Certificados de Recebíveis Imobiliários.

Tese de investimento
Nosso viés positivo para o OUFF é baseado em sua gestão altamente qualificada e com longo histórico no setor de FoFs, manutenção de dividendos acima da média setorial, giro oportunista da carteira e valuation atrativo. Acreditamos que o deságio de 5% em relação a seu Valor Patrimonial e ~5-10% contra seus principais pares do deve suportar um desempenho robusto da cota no curto-médio prazo.

Portfólio
O OUFF possui uma carteira bastante diversificada em segmentos, apresenta como maior exposição os fundos de lajes corporativas e galpões logísticos. A composição da carteira possui foco razoavelmente maior em ganho de capital, possuindo nomes que negociam a descontos atrativos em relação ao valor patrimonial, o que a curto prazo pode beneficiar a performance do fundo.

Cenários

Otimista: geração de resultado extraordinário a partir de gestão ativa da carteira;
Base: manutenção de dividendos acima da média setorial;
Pessimista: dividendos significantemente abaixo do guidance.

BTG Pactual Logística (BTLG11)

Sobre o Fundo
O Fundo tem por objeto a obtenção de renda e ganho de capital por meio da exploração de empreendimentos imobiliários focados em operações nos segmentos logística.

Tese de investimento
O segmento logístico tem apresentado, desde o início da pandemia, o perfil mais defensivo entre os segmentos imO segmento logístico tem apresentado, desde o início da pandemia, o perfil mais defensivo entre os segmentos imobiliários, sendo referido inclusive como o “filho da crise”. Acreditamos nos fundamentos do setor e gostamos da resiliência que tem apresentado. Nessa perspectiva, vemos o BTLG como o melhor nome para se estar posicionado, visto seu amplo pipeline de aquisições e valor reprimido em ativos do portfólio.

Portfólio
O BTLG atualmente possui 15 galpões, localizados principalmente no Sudeste, com maior exposição ao segmento alimentício. O fundo conta com 52% dos seus contratos atípicos e com inquilinos de grande relevância nacional e baixo risco, como BRF, Femsa, Itambé e Natura.

Cenários

Otimista: rápida integração dos novos ativos ao portfólio, beneficiando a receita do fundo e, consequentemente, dividendos.
Base: continuidade do pipeline de aquisições e melhoria de liquidez, conforme visto nos últimos meses, contribuindo para a redução do desconto apresentado em comparação a seus principais pares.
Pessimista: cancelamento ou atraso de aquisições anunciados, ou quebra de contrato sem  aviso prévio.

TRX Real Estate (TRXF11)

Sobre o Fundo
Fundo de Investimento Imobiliário com foco na distribuição de renda e dividendos aos seus cotistas através de uma gestão ativa que busca maximizar seu retorno por meio da aquisição, do desenvolvimento e da venda de imóveis locados preferencialmente para grandes empresas com contratos de longo prazo.

Tese de investimento
Assim como galpões logísticos, varejo alimentício tem sido um dos setores que menos sofreu desde o início da crise. Nesse sentido, acreditamos na sinergia defensiva que o portfólio do fundo apresenta entre os dois segmentos, mas também promovendo um potencial atrativo de ganho de capital devido às recentes conclusões de aquisições e retomada de dividendos a patamares acima da média do IFIX.

Portfólio
TRXF possui atualmente 44 imóveis com ampla diversificação geográfica, destes 15% de sua ABL está no segmento logístico e 85% em varejo alimentício. Todos os contratos do fundo são atípicos e de longo prazo, os voltados ao varejo possuem uma média de vencimento ainda maior do que comumente é visto no mercado imobiliário.

Cenários

Otimista: aceleração do pipeline de aquisições, redução da vacância;
Base: resiliência durante a pandemia e nos meses subsequentes sem quebras de contrato;
Pessimista: quebra de contrato com inquilinos, inadimplência, diferimentos.

RBR Crédito Imob. Estruturado (RBRY11)

Sobre o Fundo
Investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.

Tese de investimento
Com uma gestão altamente qualificada no segmento de crédito imobiliário, o RBRY possui uma carteira com grande potencial de alfa visto sua exposição a ativos middle-grade indexados a CDI, se beneficiando também do momento macroeconômico e previsão de alta na Selic. Acreditamos que o fundo deva ganhar tração nos dividendos nos próximos meses e hoje negocia a níveis defasados em relação a seus principais pares, havendo espaço também para ganho de capital.

Portfólio
O fundo possui 17 ativos indexados majoritariamente ao CDI (67%), perfil de ativos do portfólio é middle-grade, com duration médio de 2,5 anos e Loan-to-value de 49,1%.

Riscos
Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-pagamentos.

VBI CRI (CVBI11)

Sobre o Fundo
O Fundo tem como objetivo a obtenção de renda e ganho de capital, através do investimento de, no mínimo, dois terços do seu patrimônio líquido diretamente em ativos de renda fixa de natureza  Imobiliária.

Tese de investimento
Apesar do curto histórico, o fundo demonstrou grande expertise em suas primeiras alocações, resultando em uma performance sólida e dividendos robustos. Recém capitalizado, acreditamos no potencial de alocação da gestão frente ao pipeline de aquisições e rápida integração dos ativos ao portfólio, permitindo um rápido de tração nos próximos meses e maior visibilidade no setor de recebíveis.

Portfólio
A carteira do CVBI é composta por 23 CRIs com indexadores diversificados, sendo IPCA a maior exposição (57%), seguido de CDI (35%). Cerca de 49% dos ativos possuem LTV maior que 50% e 68% possuem prazo de vencimento maior ou igual a 2030.

Riscos
Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-pagamentos.

Mauá Capital Recebíveis Imobiliários (MCCI11)

Investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.

Tese de investimento
A escolha da MCCI foi feita sobretudo pela qualidade dos recebíveis em carteira, diversificação setorial e ótima carteira de ativos atrelados ao IPCA. O fundo tem feito um excelente trabalho em suas últimas alocações e ainda possui recursos em caixa que, em nossa visão, devem continuar sendo alocados rapidamente com excelentes retornos ao cotista.

Portfólio
O portfólio do MCCI é composto por 16 CRIs, com vasta diversificação setorial, sendo logístico e comercial as maiores alocações. A indexação da carteira é mais concentrada em IPCA (68%), seguido de CDI (16%) e IGP-M (8%). A carteira possui Loan-to-Value médio de 51% com Duration médio de 5,1 anos e garantias concentradas na região sudeste, especialmente no Estado de São Paulo.

Riscos
Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-pagamentos.

Capitânia Securities II (CPTS11)

Sobre o Fundo

Investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.

Tese de investimento
Gostamos da estratégia de gestão ativa que o fundo propõe, tanto para alocação de recursos em CRIs, quanto para aquisição de ativos no mercado secundário (cotas de FIIs). O fundo conta com uma gestão dinâmica, multidisciplinar e de longo histórico no mercado imobiliário que oferece rentabilidade razoavelmente acima de seus principais pares do setor de recebíveis.

Portfólio
Atualmente, o fundo possui 64% da carteira alocada em CRIs e 36% em cotas de Fundos Imobiliários. A exposição setorial da carteira é pulverizada, porém, possui maior exposição ao setor de shoppings (19%) e galpões logísticos (16%).

Riscos
Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-pagamentos, e performance negativa dos FIIs que possuem na carteira.

CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11)

Sobre o Fundo
Investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), desde que atendam aos critérios definidos na política de investimento.

Tese de investimento
A qualidade da carteira de CRIs do HGCR se destaca no segmento de recebíveis High Grade, possuindo gestão de altíssima qualidade e longo histórico de resiliência, sendo considerado referência no setor. Acreditamos também que o fundo deve se beneficiar com a alta de indexadores de inflação, tendo grande exposição a IPCA e, IGP-M em menor relevância.

Portfólio
De acordo com o último relatório gerencial, o fundo possui 38 CRIs, sendo aproximadamente 50% indexado a CDI e 48% indexadores atrelados a inflação. A carteira possui ampla diversificação setorial, sendo as maiores exposições ao segmento varejista (34%), residencial (31%) e logístico (26%).

Riscos
Os riscos para o fundo são de insolvência de seus devedores, atrasos nos pagamentos, renegociações e pré-pagamentos, e performance negativa dos FIIs que possuem na carteira.

Vinci Shopping Centers (VISC11)

O Vinci Shopping Centers FII tem como objetivo a obtenção de renda por meio da exploração imobiliária de shopping centers.

Tese de investimento
O VISC retomou atividade em 100% dos seus shoppings e já começou a demonstrar sinais expressivos de melhora. O segmento de shoppings dentro de Fundos Imobiliários é o mais descontado em termos de VM/VP e acreditamos que tanto a melhor perspectiva sobre a evolução da pandemia quanto recentes notícias sobre possíveis vacinas, beneficiem um reajuste positivo para o setor.

Portfólio
O Bresco Logística FII possui 11 propriedades com 446 mil m² de área bruta locável (“ABL”) e potencial para expansão O portfólio do Fundo é composto por participação em 15 shoppings localizados em 9 diferentes estados, O portfólio do Fundo é composto por participação em 15 shoppings localizados em 9 diferentes estados, administrados por 7 administradoras distintas, totalizando mais de 159 mil m² de ABL própria. De acordo com o último relatório gerencial da gestão, ~70% do NOI da empresa está concentrado na região Sudeste, especialmente São Paulo e Rio de Janeiro

Cenários

Otimista: retomada acentuada do setor de varejo e serviços, aliviando consequentemente descontos concedidos aos lojistas e inadimplência;
Base: afrouxamento das medidas de quarentena e distanciamento social permitindo maior tempo de funcionamento;
Pessimista: aumento de vacância e inadimplência, agravamento da pandemia.

Bresco Logística (BRCO11)

O Bresco Logística tem como objetivo auferir ganhos pela aquisição e exploração comercial de empreendimentos preponderantemente na área logística.

Tese de investimento
O Bresco Logística possui, discutivelmente, um dos melhores portfólios logísticos da indústria. Apesar disso, tem underperformado o setor logístico nas últimas semanas, negociando próximo às mínimas históricas. Acreditamos que, a performance recente, combinada com as diversas iniciativas da gestão voltadas ao crescimento orgânico do portfólio gerem uma janela de oportunidade atrativa para os investidores.

Portfólio
O Bresco Logística FII possui 11 propriedades com 446 mil m² de área bruta locável (“ABL”) e potencial para expansão da ABL em 6%. O portfólio do fundo encontra-se com uma receita anual estabilizada de mais de R$125 milhões, sendo 35% provenientes de propriedades localizadas na cidade de São Paulo. Os contratos de locação possuem prazo médio remanescente de 4,6 anos e 59% são atípicos.

Cenários

Otimista: novas aquisições e redução da vacância;
Base: •continuidade de melhoria da eficiência operacional do fundo acrescendo os rendimentos distribuídos nos próximos meses;
Pessimista: rompimento de contratos, renegociações.

Sobre os FII:

Os Fundos de Investimento imobiliário, ou FIIs, sigla pela qual são popularmente conhecidos, são fundos que investem em ativos e projetos imobiliários – como shoppings, escritórios, residenciais, hotéis e galpões industriais e logísticos – ou então em títulos de dívida privada com lastro em imóveis ou em operações imobiliárias – caso de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras Hipotecárias (LH) e Letras Imobiliárias Garantidas (LIG).

Basicamente, os fundos imobiliários funcionam da seguinte forma: um grupo de investidores, os cotistas, reúne capital para aplicar em empreendimentos imobiliários existentes, com o objetivo de obter renda constante através de aluguel (formato conhecido como fundo imobiliário para renda); ou em projetos a serem desenvolvidos, a fim de auferir retornos em um prazo mais longo (fundo imobiliário para desenvolvimento); ou ainda em títulos com garantia imobiliária que gerem remuneração conforme critérios preestabelecidos (fundo imobiliário ‘de papel’).

O documento essencial para a constituição de um fundo imobiliário é o regulamento. Este define, entre outras coisas, a política de investimento a ser adotada e as regras que serão seguidas. O prospecto, por sua vez, apresenta as principais informações do regulamento ao investidor, com vistas a facilitar sua tomada de decisão – direitos e deveres dos cotistas e do administrador, políticas e estratégias de investimento do fundo, taxas etc. Ambos os documentos são analisados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia vinculada ao Ministério da Economia responsável por regulamentar e fiscalizar este mercado.

Ao comprar cotas de um fundo imobiliário, o cotista adquire automaticamente uma participação no patrimônio total e o direito de receber rendimentos correspondentes à fatia que detém.

O FII é constituído na forma de condomínio fechado, e não é permitido ao investidor resgatar as cotas antes do encerramento do prazo de duração do fundo. É importante levar em conta que, na maioria das vezes, esse prazo é indeterminado, e consequentemente, a forma que o investidor se retira do fundo se dá por meio da venda de suas cotas a outro(s) interessado(s).

Vantagens do Produto

Diversidade e qualidade dos ativos: Ao adquirir cotas de um FII, os investidores têm acesso a uma diversidade de ativos mobiliários, usualmente de alta qualidade, que dificilmente poderiam comprar de forma individual. O investidor de um FII pode se tornar proprietário, por exemplo, de shoppings, torres de escritórios, complexos residenciais e galpões logísticos, mesmo a partir de aportes pequenos de recursos;

Isenção fiscal de rendimentos: Os rendimentos dos investimentos de pessoas físicas em FIIs são hoje isentos de imposto de renda, desde que cumpridas algumas condições: o investidor deve ter menos de 10% do total das cotas do fundo, o fundo precisa somar pelo menos 50 cotistas e o FII deve ser negociado exclusivamente em bolsa de valores ou mercado de balcão organizado;

Liquidez comparativa: Ao adquirir cotas de um fundo imobiliário, o investidor não compra diretamente um imóvel específico, mas sim a participação em uma carteira de ativos. A qualquer momento, tem a possibilidade de se desfazer dessa sua fatia no FII por meio da venda de suas cotas –, condição que lhe oferece potencial de liquidez superior na comparação com o processo de venda de um imóvel, que eventualmente pode ser demorado;

Gestão Profissional: •Ao aderir a um FII, o investidor passa a contar com os serviços de especialistas, fator que potencializa as oportunidades de bons investimentos e maiores retornos.

RENDA VARIÁVEL
[email protected]

Luis Sales – CNPI
[email protected]

“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores,  para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo.  Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações. Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Resolução CVM nº 20, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. “

Relacionados

Carteira Semanal de Ações | 11 de Outubro

Nesta semana, optamos por realizar duas trocas na Carteira Semanal. No exterior, nos manteremos atentos aos dados do CPI de setembro [...]

Luis Gustavo Pereira - 11/10/2021

Carteira Semanal de Ações | 04 de Outubro

Nesta semana, optamos por não realizar alterações na Carteira Semanal. No exterior, nos manteremos atentos aos desdobramentos da crise causada pela [...]

Luis Gustavo Pereira - 04/10/2021

Stock Guide - Guia de Ações | 04 de Outubro

Conheça nosso Guia de Ações Acesse aqui Disclaimer: Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores,  para uso exclusivo e intransferível [...]

Luis Gustavo Pereira - 04/10/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções