Apito Final | 17 de Março

Tempo de leitura: 7 minutos

Internacional
• Bolsas globais passam por um leve processo de recuperação;
• Trump pretende implementar pacote fiscal ambicioso para combater a crise do Covid-19;
• Vendas no varejo americano recuam -0,50% em fevereiro;
• Fed reforça sua atuação no combate aos impactos econômicos derivados surto do Covid-19.

Brasil
• Ibovespa acompanha exterior e opera em alta;
• Real segue sob pressão, porém passa por leve valorização;
• Choque do Covid-19 promove efeito baixista sobre as expectativas inflacionarias.
• CDS continua refletindo alto risco político.


FECHAMENTO:

Ibovespa: 74.640 (+4,88%)
R$/US$: 4,98 (-0,31%)
DI Jan/27: 7,42% (-39 bps)
S&P500: 2.529 (+5,99%)

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg

MAIORES ALTAS:

RAIL3: R$ 16,60 (+14,01%)
CRFB3: R$ 19,80 (+12,50%)
UGPA3: R$ 14,31 (+12,32%)

MAIORES BAIXAS:

SMLS3: R$ 16,56 (-7,74%)
VVAR3: R$ 7,08 (-6,35%)
CVCB3: R$ 9,95 (-4,33%)


CENÁRIO EXTERNO:

Mercados… Ativos de risco ao redor do globo, depois de um árduo dia de negociações na 2ªf, voltaram a apreciar um novo alívio ao longo do pregão de hoje. Investidores, tanto americanos quanto europeus, seguem recebendo de bom grado as medidas de cunho fiscal que estão sendo apresentadas pelos governos das economias centrais. Nos EUA, especificamente, o S&P500 operou em alta, refletindo tanto um movimento de ajuste quanto expectativas marginalmente mais positivas, geradas a partir do anuncio de que o governo americano pretende elevar os gastos públicos em aproximadamente US$ 800 bilhões para sustentar a demanda face ao choque do Covid-19. No final do dia, o S&P500 e o STOXX 600 subiram 5,99% e 2,26%, respectivamente.

Trump muda retórica… Se há algumas semanas atrás Trump e sua equipe planejavam um tímido pacote fiscal para limitar os impactos econômicos do vírus, agora planeja-se o contrário. A administração do chefe de estado americano apresentou uma mistura de desoneração da folha de pagamentos conjugado a um fluxo de recursos em direção aos setores mais afetados, como aviação e hotelaria. O total de recursos deve ficar em torno do intervalo de US$ 800 e US$ 850 bilhões. Não obstante, a ala democrata exige que o governo também não hesite em adotar medidas que ajudam famílias de baixa renda, como aumentos no seguro desemprego. Outras medidas mais arrojadas preconizam um envio direto de recursos para as mãos dos consumidores.

Os efeitos já estão sendo sentidos… O anuncio de implementação de um ambicioso pacote de gastos vem na esteira das vendas no varejo para o mês de fevereiro, que, ao contrário do que previam as expectativas (+0,2%), caiu 0,5%. Ao passo que a disseminação do vírus se intensifica nos EUA, consumidores, por obra da incerteza relacionada ao medo de contagio, retraem sua demanda por bens e serviços. Assim sendo, a falta de gastos por parte dos consumidores irá neutralizar, mesmo que parcialmente, os impactos positivos da redução no preço do petróleo que tem se verificado desde o início da guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia na semana passada.

Fed em ação… Enquanto investidores esperam a decisão de política monetária do Fed, BC americano, observam mais uma medida tomada pelo banco central. Depois de cortar o juro em 100 bps de forma emergencial, elevar o montante injetado no mercado monetário e retomar a compra de ativos lastreados em hipotecas (Mortgage Backed Securities, na sigla em inglês), o banco agora pretende comprar notas promissórias. Notas promissórias nada mais são do que títulos de dívida emitidos por empresas com o intuito de capitalizar recursos para finalidades de curto prazo. O intuito desta medida, assim como o das outras, é, não só evitar um aperto das condições financeiras, mas também evitar o afastamento de investidores devido ao risco de inadimplência por parte das empresas ao passo que seus resultados sofrem um declínio.


BRASIL:

Mercados…O Ibovespa acompanhou o humor externo e operou em alta ao longo da sessão, recuperando parte das perdas acumuladas ao longo desta 2ªf. O anúncio de um pacote de gastos que preserva a saúde fiscal por parte do Ministério da Economia (vide Mercados Hoje) para combater o Covid-2019 ajudou a acalmar os ânimos dos agentes econômicos. Não obstante, o índice de referência segue sendo negociado a patamares extremamente descontados. No mercado cambial, o dólar reverteu o movimento de alta que vinha apresentado ao longo do dia, fechando abaixo dos R$ 5,00/US$. Parte desta alta continua refletindo tanto a elevada aversão ao risco quanto a alta do CDS (atualmente negociado acima dos 300 pontos em função do elevado risco político), mas também a expectativa de que o Copom irá cortar juro mais uma vez em sua decisão de política monetária que ocorre amanhã. No mercado de juros, as taxas operaram em baixa ao longo do pregão, repercutindo exatamente esta expectativa.

Comentários sobre o coronavirus… A intensificação do espalhamento do Covid-2019 tem causado efeitos relevantes sobre as expectativas inflacionarias. Na medida em que o surto do coronvavirus se configura como um choque que reduz o fluxo de consumidores as lojas e causa uma redução futura na produção por parte das empresas devido à falta de trabalhadores, as expectativas de inflação sofrem pressão baixista. Estas mostram que, para 2020, o mercado já precifica uma inflação de 3,1%, notavelmente abaixo da meta de 4% preconizado pelo CMN. Se conjugarmos o choque do Covid-2019 com o reduzido preço do petróleo, temos uma pressão adicional sobre a dinâmica de preços. Todos estes fatores apontam para uma postura mais agressiva do Copom, que deve cortar em 25bps a Selic e deixar as portas abertas para futuros estímulos.

Carrefour… As expectativas de aumento de vendas no curto prazo seguiram impactando positivamente o setor. Ainda, o fim da parceria com a Magazine Luiza demonstrou que o Carrefour segue focando em maior eficiência dentro de sua operação.

Via Varejo… A companhia se descolou da maioria das empresas do setor e sofreu expressiva queda no pregão de hoje. Após relatório divulgado por uma casa de análise, no qual destacou-se que os riscos de liquidez de curto prazo da empresa são elevados, investidores preferiram por migrar para ativos mais seguros em meio ao cenário macroeconômico turbulento.

Equipe Econômica

Conrado Magalhães
[email protected]

Alejandro Ortiz Cruceno
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“

Relacionados

Agenda de Divulgações de Resultados – 1T21

Confira as datas que as empresas divulgarão seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2021. As datas foram compiladas através da Bloomberg [...]

Henrique Esteter - 22/04/2021

Apito Final |Incerteza pode persistir

Internacional Ativos americanos têm dia de reviravolta e encerram mais uma sessão em campo negativo;Ativos europeus encerraram no verde com manutenção de [...]

Alejandro Ortiz Cruceno - 22/04/2021

Rio Bravo: Olhar Atento | O orçamento deste ano

Hoje é a data final para o Presidente sancionar o orçamento deste ano. Ontem foi ratificada a PLN 2, que reedita [...]

Rio Bravo - 22/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções