CabeçalhoConteúdoNewsletterRodapé

Cotações por TradingView

Apito Final | CPI desacelera na última leitura do ano

12 de janeiro de 2022
Tempo de leitura: 6 min
Compartilhar
Tempo de leitura: 6 min

Internacional

• Indicador de inflação dos EUA encerra o ano com alta dentro do esperado e permite descompressão da curva de juros;

• Livro Bege revela que preços desaceleraram nos principais distritos, mas pressões inflacionárias permanecem;

• CPI próximo do esperado (e desacelerando) na margem se sobressai ao avanço do núcleo.

Brasil

• Fluxo de notícias levemente positivas quanto às perspectivas para a política monetária Fed permitem melhora do Ibovespa.


FECHAMENTO

Ibovespa: 105.857 (+2,00%)
BRL/USD: 5,53 (-0,81%)
DI Jan/27: 11,16 (-29 bps)
S&P 500: 4.726 (+0,28%)

PRINCIPAIS ALTAS:

MGLU3: R$ 6,32 (+7,49%)
IGTI11: R$ 17,28 (+7,20%)
MULT3: R$ 18,11 (+6,78%)

PRINCIPAIS BAIXAS

LWSA3: R$ 9,55 (-3,44%)
SANB11: R$ 30,60 (-2,61%)
BIDI11: R$ 24,63 (-2,57%)

Fonte: Bloomberg. Obs: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.


Cenário Externo

CPI desacelera na última leitura do ano

Mercados: Bolsas globais fecharam em alta após a divulgação do CPI dentro do esperado diminuir receios de um Fed mais hawkish e seguindo a melhora de ontem depois que o presidente da instituição, Jerome Powell, distanciou os receios quanto à redução do balanço do BC americano de maneira antecipada. Mais que 4 altas dos juros já estavam sendo amplamente consideradas pelo mercado e, portanto, um fluxo de notícias levemente mais otimistas acabaram permitindo o recuo dos yields das treasuries e o retorno do apetite pelo risco – o que também resultou em mais uma sessão de desvalorização do dólar (DXY). Ao mesmo tempo, na fronte das commodities, a queda dos estoques nos EUA maior que o esperado na pesquisa semanal do DoE e perspectivas de safras globais mais apertadas pela USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) permitiu ganhos generalizados.

Livro Bege: O documento que congrega a visão dos membros dos diretores do Fed, apesar de revelar possível desaceleração dos preços de forma disseminada entre Estados, mostra preocupação do BC americano com relação às pressões derivadas de salários e dos preços de insumos industriais. Segundo a avaliação do Livro, os salários continuaram avançando em decorrência da escassez de trabalhadores. Em especial, esse efeito tem sido observado entre trabalhadores de menor qualificação. Em conjunto, a pesquisa mostrou que foram reportados altos custos de insumos e transportes (por mais que este último parece ter se estabilizado) de forma ampla entre os setores. Dia antes da divulgação do PPI (inflação ao consumidor) e com o resultado levemente acima do esperado do núcleo do CPI, a documento tem avaliação sugestiva, de forma que talvez algumas das pressões inflacionárias que observamos em 2021, demorem para arrefecer de maneira mais incisiva.

CPI: A inflação ao consumidor dos EUA teve aumento de 0,5% m/m em dezembro, partindo para um acumulado de 7% em 12 meses, maior nível em quase 40 anos. A expectativa do mercado era de um CPI a 0,4%, mas ainda assim, o último resultado de 2021 configura uma desaceleração do índice na comparação mensal, frente uma alta de 0,8% em novembro. O núcleo do CPI, medida que exclui os componentes mais voláteis do indicador, também veio levemente maior que o esperado, com avanço de 0,6% m/m. Os subitens relacionados à transportes foram os que mais puxaram o índice para cima, com especial destaque para veículos usados. Na ponta oposta, alimentação desacelerou consideravelmente durante o mês de dezembro, surpreendendo positivamente o mercado, em conjunto com  um recuo de 0,4% do índice de preços de energia – a primeira variação negativa desde abril. O resultado não alterou as perspectivas para a política monetária do Fed, visto que os números vieram bem próximos do esperado, e, mais importante, revelam uma desaceleração frente aos dados passados, quando olhamos o índice cheio. Não obstante, na leitura do núcleo, observamos que ele segue pressionado. Em especial, segue o risco de que a Ômicron possa ser mais inflacionária do que deflacionária, visto principalmente que as pressões por parte de transportes e equipamentos seguem elevadas.


No radar: EUA: PPI (10h30), pedidos de auxílio-desemprego, discurso de T. Barkin (14h), discurso de C. Evans (15h).

Brasil

Cenário externo permite descompressão de ativos no Brasil

Mercados: Ibovespa fechou novamente em alta, com commodities e fechamento dos yields americanos possibilitando a valorização dos ativos de risco internos frente um fluxo de notícias local mais positivo. O anúncio do Governo de São Paulo de que manterá normalizada as atividades do comércio e serviços ajudou a aliviar os receios de mais uma onda de restrições. A curva de juros conseguiu recuar consideravelmente entre vértices médios e longos, devolvendo parte da abertura dos últimos dias depois que o CPI norte-americano dentro do esperado permitiu uma descompressão dos yields lá fora. O dólar seguiu em baixa, acompanhando o movimento da moeda lá fora e na esteira de uma melhora de sentimento local.

No radar: Levantamento sistemático da produção agrícola (9h), PMS – Volume de serviços (9h).

Equipe Econômica

Conrado Magalhães
[email protected]
Rafael Gabriel Pacheco
[email protected]
Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores,  para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo.  Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações. Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Resolução CVM nº 20, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“

Compartilhar artigo

Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.

Formado em economia pelo Mackenzie, com foco em Macroeconomia, entrou na Guide Investimentos em 2021 e atualmente produz relatórios de análise e de comitês mensais com intuito de embasar recomendações de alocação de recursos através da análise do cenário econômico.

Veja também