Apito Final | Entre altas e baixas, Ibovespa volta a sofrer com risco fiscal em cena

Tempo de leitura: 8 minutos

Internacional

  • Entre altas e baixas, bolsas globais continuam na expectativa de mais estímulos fiscais nos EUA;
  • Ata do Fed reforça postura acomodatícia e clama por mais suporte fiscal;
  • Projeções dos membros do FOMC apontam para cenário mais favorável para a maior economia do mundo.

Brasil:

  • Ibovespa oscila entre altas e baixas com risco fiscal ainda em cena;
  • Governo não apresentou proposta de financiamento do Renda Cidadã;
  • BCB divulgou Índice de Commodities referente ao mês de setembro;
  • Dados do índice apontam para transitoriedade na aceleração dos preços dos alimentos;
  • Gerdau e Smiles são destaques do dia.

FECHAMENTO:

Ibovespa: 95.526 (-0,09%)­­
BR$/US$: 5,62 (+0,50%)
DI Jan/27: 7,63% (+8 bps)
S&P 500: 3.419 (+1,74%)

Fonte: Bloomberg. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg

PRINCIPAIS ALTAS:

GGBR4: R$ 22,40 (+3,23%)
GOAU4: R$ 10,03 (+3,19%)
VALE3: R$ 60,17 (+2,64%)

PRINCIPAIS BAIXAS:

IRBR3: R$ 6,44 (-10,18%)
CVCB3: R$ 14,90 (-5,76%)
CIEL3: R$ 3,70 (-5,13%)


Cenário Externo:

Mercados…  Após um início de dia tumultuoso, ativos de risco internacionais recuperaram parte do terreno perdido ontem e encerraram o dia de forma mista. Nos EUA, investidores regiram positivamente à sinalização do presidente americano de que, apesar de enunciar ontem o fim das conversas com democratas para aprovar mais um pacote de estímulos fiscais, estaria disposto a estender a ajuda alguns setores – como o aéreo –, além de direcionar recursos para impulsionar o consumo das famílias. Na Europa, no entanto, o dia teve claro teor negativo, com investidores ainda repercutindo de que forma a concretização de uma segunda onda de infecções pode frear a recuperação econômica até que o pacote trilionário de gastos seja efetivamente implementado. Sem indicadores relevantes, a ata do Fed também marcou o dia.

Ata do Fed… O BC americano divulgou hoje a ata de sua reunião referente aos dias 15 e 16 de setembro. Sem trazer grandes novidades, dirigentes do Fed afirmaram que a recuperação dá economia foi robusta ao longo do 3T20, mas dá constantes sinais de acomodação, tornando a presença de mais suporte fiscal indispensável. A ata reiterou o novo arcabouçou de política monetária – altamente dovish, tolerante de uma maior inflação e em prol do pleno emprego – e deixou claro que o BC americano continuará implementando todos as ferramentas disponíveis para assegurar uma recuperação consistente e relativamente rápida. Por último, membros do corpo decisório voltaram a enfatizar a importância de conter a propagação da covid-19 para garantir uma recuperação mais sólida, uma vez que, caso contrário, continuará pesando sobre o sentimento dos produtores e consumidores, induzindo uma incapacidade de investir e consumir mais.

Mais sobre a ata… Além do discurso altamente dovish adotado pelo BC americano, voltou-se a verificar uma importante reiteração das projeções dos membros do banco. Com relação à taxa básica de juros – o Federal Funds Rate, análoga à Selic daqui –, a maioria dos membros não espera uma alta até pelo menos 2022, pontuando como a economia ainda tem muito caminho para trilhar. Com relação à derrocada na atividade, as estimativas medianas da autoridade agora se situam em torno de -3,7%; valor consideravelmente abaixo da estimativa de junho: -6,5%. Esperara-se que a taxa de desemprego termine 2020 em torno de 7,6%, voltando aos patamares pré-crise (abaixo de 4%) somente em 2022. A inflação deve apresentar uma alta acumulada de apenas 1,2% no ano, pontuando exatamente a falta de pressões derivadas de uma aceleração mais intensa na atividade.


BRASIL:

Mercados… Em mais um dia que não contou com indicadores extremamente relevante para dar suporte às decisões de investimento, ativos domésticos oscilaram entre altas e baixas, novamente repercutindo as incertezas quanto à evolução das contas públicas. O Ibovespa iniciou o dia em baixa, impactado por rumores de que o auxílio emergencial poderia ser prorrogado até março do ano que vem. Ao longo do dia, no entanto, Paulo Guedues desmentiu o rumor, reforçando que o estado de calamidade pública se encerra este ano, acalmando os ânimos com relação à uma deterioração adicional das contas públicas e fazendo o índice encerrar próxima da estabilidade. Diante deste cenário volátil dentro da política, o dólar, assim como as taxas no mercado de juros futuros e o CDS de cinco anos, métrica de risco-país, operaram em alta. A decepção quanto à entrega de uma proposta de financiamento fiscalmente responsável para o Renda Cidadã também inibiu valorizações de maior grandeza.

Governo volta a decepcionar… Como mencionamos no Apito Final de ontem, o governo de fato deixou de apresentar uma proposta de financiamento para o Renda Cidadã que respeite o teto de gasto. Assim, a proposta, que de longe tem sido o principal vetor de incerteza fiscal, segue sem nenhum tipo de desenho, deixando investidores desnorteados com relação ao rumo das finanças públicas. Como mencionamos no Mercados Hoje desta manhã, acreditamos que a divulgação de seu financiamento tardará até depois das eleições municipais. Assim, investidores tanto locais quanto internacionais podem esperar mais um mês de elevada volatilidade, que pode passar por um processo de intensificação caso o governo opte por apresentar o programa sem detalhar de que forma será financiado, seja pelo lado da elevação das receitas, seja pelo lado de corte de gastos.

Atividade econômica… O Banco Central o Brasil divulgou hoje seu Índice de Commodities (IC-BR), um indicador que captura o amplo movimento das mais diversas commodities. O índice composto – que captura a dinâmica dos preços dos itens metálicos, agropecuários e de energia – avançou 0,54% em setembro, desacelerando consideravelmente com relação a agosto, quando havia apresentando forte alta de 9,39%. A forte perda de ritmo deve-se à desaceleração nos itens de agropecuária, que apresentaram alta de 1,95% em setembro ante 7,68% em agosto. Metais passaram por uma baixa de 1,29%, após alta de 12,61% em setembro, enquanto energia apresentou deflação de 2,82% em setembro ante aceleração de 12,41% em agosto.

Corolários para a política monetária… A intensa desaceleração no preço das commodities faz jus à tese que temos sustentando em diversos relatórios: a aceleração dos alimentos – parcialmente puxada pela aceleração nas commodities e que de fato acabou contaminando índices de inflação ao consumidor como IPCA – é transitória. A forte desaceleração dos itens agropecuários se apresenta como uma forte evidência empírica para isto. Assim, continuamos acreditando que o cenário para a inflação segue, como mencionou o próprio presidente da autoridade monetária, “tranquilo”. Desta forma, não esperamos uma reversão do atual estágio da política monetária, uma vez que as condições concretas da economia (baixa inflação e atividade) seguem prescrevendo um extraordinário grau de estímulo. Isto não quer dizer, claro, que o risco fiscal não tem potencial de comprometer o bom funcionamento da política monetária, como temos enfatizado recorrentemente. 

Gerdau… Após mudança na recomendação por uma casa de análise, a ação encerrou como principal alta do índice no pregão de hoje. No relatório, os analistas disseram que existe uma expectativa forte de lucros com maiores volumes e reajustes de preços combinados ao real mais fraco.

Smiles… A companhia apresentou performance positiva hoje em meio a divulgação de dados financeiros referentes ao 3T20. A cia reportou que as vendas atingiram em setembro cerca de 90% do total vendido um ano antes.

Equipe Econômica

Conrado Magalhães
[email protected]

Alejandro Ortiz Cruceno
[email protected]

Victor Beyruti Guglielmi
[email protected]

 
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 21 da Instrução CVM nº.598/2018, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“

Relacionados

Apito Final | Sejamos realistas

Internacional Ativos globais encerram mais uma semana com desempenhos estelares;Enquanto isso, investidores aguardam sinais quanto ao futuro da política fiscal nos EUA;Confiança [...]

Alejandro Ortiz Cruceno - 16/04/2021

Rio Bravo: Olhar Atento |O PIB da China

O PIB da China cresceu 18,3% a.a. no primeiro trimestre de 2021, ligeiramente abaixo da expectativa (18,5%). A magnitude representa a [...]

Rio Bravo - 16/04/2021

Guide Empresas - Construtoras divulga prévias operacionais robustas; Meirelles quer privatizar EMAE este ano e Sabesp fica para 202

MRV: Cia anuncia volume de R$ 1,71 bilhão em lançamentosImpacto: PositivoTenda: Construtora anuncia lançamentos de R$ 610 milhões no 1T21Impacto: PositivoSabesp: [...]

Luis Sales - 16/04/2021
Logo o guia financeiro

Entrar

Como deseja continuar?

Abra sua conta

Preencha os campos abaixo
ou use uma das opções